Pesquisar este blog

Set's by Dj Artemix:

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Musica nova do Dexter e Mano Brown



Até no lixão nasce flor

Na periferia ou no Rap, o determinismo não faz sentido
O que se deve esperar de um lugar que há alguns anos era conhecido como ‘esqueletão’? Muita coisa. Por muito tempo o terreno onde hoje se encontra o CCJ (Centro Cultural da Juventude ‘Ruth Cardoso’), na Vila Nova Cachoeirinha, foi reduto da criminalidade na Zona Norte. Dizem que era melhor as pessoas de bem atravessarem a rua ao passar ali diante, já que um lugar com esse apelido é flor que não se cheira.
Neste domingo, no mesmo lugar, o CCJ receberá um encontro que se confunde com a sua história. Dexter convida Mano Brown e G.O.G., três provas vivas de que a natureza humana é mutável, de que o meio não determina o homem, quem dirá um lugar.
Image
Da periferia para a periferia, as histórias dos 3 protagonistas desse grande encontro se confundem com a do CCJ. Nascido no Jardim Calux, em São Bernardo do Campo, Dexter Oitavo Anjo está desde 1990 no cenário do Hip Hop nacional. Compôs suas primeiras letras influenciado por nomes como Public Enemy, NWA, Kool Moe Dee e Racionais MC’s. Em 2009, após oito anos sem subir nos palcos, Dexter passa para o regime semi-aberto e faz um show na quadra da escola de samba Unidos da Peruche, em São Paulo. A apresentação resulta no CD e DVD “Dexter & Convidados” ao vivo, com participação especial de Paula Lima, Fernandinho Beatbox, GOG, Edi Rock, Mano Brown e Thaíde, entre outros.
Em abril de 2011, depois de 13 anos exilado no sistema prisional, Dexter ganha liberdade permanente e volta a fazer shows e palestras, reforçando a mensagens de perseverança, de auto-estima e de conscientização. O rapper acredita na transformação social pela via da educação e da cultura, tendo o Hip Hop como uma ferramenta de luta. Dexter é também fundador do Projeto Como Vai Seu Mundo? desenvolvido em parceria com o Juiz Corregedor da Vara de Execuções Criminais de Guarulhos, Dr. Jaime Garcia Junior, Coletivo Peso e  Instituto Crescer. O objetivo da iniciativa é levar dignidade e cidadania para os reeducandos dentro das penitenciárias.
Nascido, criado e ainda hoje radicado no Capão Redondo, periferia da zona Sul de São Paulo, Pedro Paulo Soares Pereira, vulgo Mano Brown, vocalista e principal letrista do grupo de rap paulista Racionais MC’s. Seu trabalho contribuiu para  consolidar o Rap nacional e colocar as periferias urbanas em destaque no universo musical e artístico. Seu talento em cantar as ruas lhe rendeu o prêmio Sharp de compositor revelação por O Homem na Estrada, em 1993, e prêmios de escolha do público e de vídeo-clipe pela MTV com Diário de um Detento, em 1998.
A experiência da estrada com shows no Brasil e no exterior lhe trouxe maturidade para investir em outras facetas. Foi um dos fundadores da gravadora Cosa Nostra, em 1997 e lançou novos ícones do rap como Sabotage, RZO e Apocalipse 16. Como produtor musical, produziu nomes como Dexter, Banda Black Rio, Rosana Bonk’s e U Time, entre tantos outros novos grupos de rap. Apesar do sucesso, Brown é um artista avesso às investidas da mídia, não gosta de dar entrevistas ou de ter sua imagem exposta em jornais e revistas. Nunca saiu da periferia, ali é sua casa, seu abrigo, lugar pelo qual ele expressa gratidão em suas músicas e em atitudes como apadrinhar a ONG Perfiferia Ativa, que desenvolve projetos sociais com a comunidade local.
De São Paulo a Brasília, da capital econômica para o centro do poder, GOG, o Poeta, traz da periferia do Distrito Federal seus discursos e ritmos inflamados, apontando um novo rumo a juventude negra e periférica brasileiras.
Nascido em Sobradinho, cidade satélite do Distrito Federal, em 1965, mudou-se em 1973 para o Guará II, onde reside até hoje. Durante sua infância, GOG teve contato com a black music, com o soul e o funk. Na adolescência, formou o Grupo de Dança “Magrello’s Pop Funk”, que daria origem ao Grupo de Rap “Os Magrello’s”. Em meados dos anos 80 adota o pseudônimo GOG e inicia sua carreira artística. Em 1990, participou da coletânea “Rap Ataca”, gravando a música A Vida, sua primeira gravação oficial. Em 1992, em parceria com o Selo de Rap Discovery lançou o compilado “Peso Pesado”, quando começa a alcançar projeção nacional.
Após ser considerado o melhor letrista de rap do país, o que lhe rendeu a alcunha de Poeta, em 2004 GOG lança o álbum “Tarja Preta”, pelo qual recebe o Prêmio Hutúz de melhor disco do ano. Em 2006, ao lado do mestre da MPB, Lenine, interpreta a faixa Eu e Lenine (A Ponte) para o disco Acústico-MTV. Em seguida,  grava seu primeiro DVD, “Cartão Postal Bomba!”, com participações de Lenine, Maria Rita, Gerson King Combo, Paulo Diniz, Ellen Oléria, Indiana Nomma, Mascoty, Isaías Jr, Nego Dé, entre outros.
O trabalho deu origem ao DVD ao Vivo que leva o mesmo nome, lançado com exclusividade pela internet através do site www.gograpnacional.com.br. Em 2010, fazendo jus a alcunha recebida, lança seu primeiro livro, “A Rima Denuncia”. Nele, 48 letras são trabalhadas em formato literário. Viaja por todo o Brasil com debates e palestras sobre a literatura, caminhos e desafios do hip hop.
O encontro dos três maiores ícones do Rap brasileiro no CCJ representa um momento único. Histórias de homens e de um lugar periféricos com orgulho e convicção. Todos eles lições de que não importa se nos fundões do mundo, na prisão, ou no ‘esqueletão’, todo terreno é fértil, todo homem é capaz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba via e mail:

k. Michelle